Plantão Itabuna - A denúncia é sua, a missão é nossa: Gregory Cruz rebate críticas do Presidente do PSL/Itabuna ao ser chamado de "oportunista"

segunda-feira, 27 de maio de 2019

Gregory Cruz rebate críticas do Presidente do PSL/Itabuna ao ser chamado de "oportunista"


Gregory Cruz, pré-candidato a prefeito de Itabuna (sem partido) rebateu nesta tarde de segunda-feira (27), críticas feitas pelo presidente do PSL/Itabuna, Binho Shalon. Em entrevista ao Blog Pimenta, o líder do partido de Bolsonaro regional afirmou que a divisão na cidade enfraqueceu o movimento deste domingo, ainda chamou os prefeituráveis de "oportunista". Confira a resposta de Gregory.



"Oziel, fiz ontem o que fiz na campanha toda pró Bolsonaro, no ano passado: dedicação orgânica, por identidade de anseios e compreensão integral da agenda de campanha do presidente, que ajudamos a eleger. Antes, quando não era prefeiturável, poderia fazer algo pelos meus ideais, sem ser chamado de oportunista. Hoje, como prefeiturável, não poderei fazer mais nada, pelo simples fato de adversários futuros pensarem que sou um aproveitador?
O Gregory idealista de ontem, continua vivo e com os mesmos anseios dos 60 milhões de eleitores que votaram no Capitão. Não devo satisfação a políticos. Ninguém me "obrigou" a estar ali, posto que meu salário é fruto do meu concurso público e não do favorecimento de ninguém. E todos aqueles que estavam lá ontem, sabem disso. São eleitores orgânicos do nosso presidente. Não se sentem representados pelo PSL e nem por partido nenhum. Nosso partido é o Brasil e, sempre que mexerem com o Brasil, nós iremos às ruas, para demonstrar o nosso patriotismo, e não a nossa obrigatoriedade de fazer algo para agradar um político.
Políticos não mandam em nós. Que isso fique bastante claro e, nessa luta do rochedo contra o mar, o povo sempre ficará do lado orgânico, do lado certo.
Nossos inimigos, além do Centrão e da esquerda, que são o pântano político de nossa Nação, aqui em Itabuna também se chama PSL. Deixamos que entrassem em nossa manifestação, que subissem em nosso trio (pagos com nosso dinheiro e não com grana de políticos) e, depois do nosso tratamento cordial e amistoso, saiu falando mal, tal qual um penetra que invade a sua festa, bebe e come do que você gastou e depois sai falando mal. Não têm legitimidade aqui em Itabuna, o povo sabe disso, para fazer nada por Bolsonaro. Podem até trazer-lhe aqui, um dia, por causa da sigla partidária, mas o povo sabe que eles são meros funcionários, que têm que apresentar resultados, senão são sumariamente demitidos dos cargos de confiança. Ao contrário de mim, que sou livre, independente e dono das minhas ações.
Não foram humildes em reconhecer que erraram em querer fazer uma manifestação paralela. Convidei, ao vivo, na Rádio  Jornal, quando lá estive sendo entrevistado, aos organizadores da outra manifestação, para unificarem  com a gente. Eles não aceitaram e continuaram em sua saga por espalhar seus banners pelas midias e carros de som, pela cidade. Só que o povo está cansado da velha política. Eles não sabem fazer a nova política. Não conhecem. Não entenderam nem as ruas e nem as urnas. Saíram da manifestação deles e invadiram a nossa, numa demonstração clara de desrespeito e tentativa de usurpação. Ficaram falando, criando o caos, com o povo de costas para eles. Senti vergonha alheia. Pedi que descessem do seu trio invasor e se reabilitassem, perante a sociedade, agora de forma educada, vindo para o nosso trio, e os manifestantes aplaudiram e os receberam. O microfone estava aberto e aberto continuou. Deram o recado deles. Mas, numa manifestação feita sem dinheiro de partido e sem medalhões políticos.
Tiveram que se "submeter" e a isso, os velhos surfistas políticos, que surfam de onda em onda, para ver se se sustentam, eles não estão acostumados.
Quem é Gregory? Eu não sou ninguém e não tenho força pra nada, mas buscarei os honestos, os idealistas, os altruístas e os corajosos, assim como eu, para me aliar. E foram essas as características que vi em todos aqueles manifestantes que ali se encontravam. Representantes da Maçonaria, do Lions, do Rotary, de outros movimentos populares como o Nas Ruas, do Partido Novo, comerciantes, empresários fortes, aqui da cidade, além do vice prefeito, Fernando Vita (que também usou da palavra, inclusive para repudiar a atitude desrespeitosa dos invasores), vieram prestigiar nossa manifestação, por acreditarem naquilo que eu acredito e por fazerem a leitura correta da atual conjuntura política de Itabuna.
A manifestação contou com um trio elétrico, a execução do Hino da Independência, microfone aberto e finalizamos com a execução do Hino Nacional (ambos os hinos cantados, não dublados, por nosso amigo e diretor do Movimento Itabuna Livre, Sérgio Sepulveda). Se isso é desorganização, então algum especialista por favor nos ajude.
Recado para os doutores em política da outra manifestação: caso queiram, eu me proponho a ensinar-lhes, a preço módico a combinar, em um curso rápido, o que é a boa e nova política, a atual conjuntura política nacional e municipal e como, de forma popular e idealista, Bolsonaro venceu as eleições, sem contar com apoio nenhum do próprio partido, cuja maior liderança, foi vergonhosamente expulsa, da sua equipe, por traição, em 18 de fevereiro deste ano. 
É isso, querido amigo Oziel."

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Sábias palavras meu candidato. Sempre sensato nas suas respostas. Estamos juntos, vamos continuar lutando por um país melhor e por um ITABUNA melhor. Fizemos um evento maravilhoso, tinham idosos, crianças, adultos, adolescentes. Não é qualquer um que irá apagar a luz e a magnitude do nosso evento. Estamos em busca do regaste da nossa nação e não nos vendemos por meros trocados. Brasil acima de tudo e Deus acima de todos.

    ResponderExcluir

PUBLICIDADE!

PUBLICIDADE!